wildandroot-eating-design-studio-8-von-17

A Alimentação que nos faz sentir bem!

As problemáticas associadas a uma má alimentação, são hoje muito debatidas, com o aumento dos níveis de obesidade (22% dos portugueses têm obesidade e 34% pré-obesidade, de acordo com estudo recente do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto), e seu consequente impacto na sociedade, nomeadamente como causa no aparecimento de outras doenças crónicas (diabetes, hipertensão arterial, doenças cardiovasculares, cancro, infertilidade, depressão).


A preocupação com a alimentação não deve ser vista apenas como uma “dieta” com início meio e fim, mas sim como um conjunto de hábitos alimentares inidividuais, que implementamos e que perduram numa jornada para a vida. Deve ser um hábito mantermo-nos saudáveis. Assim como temos o hábito de lavar os dentes, para cuidar da nossa saúde oral, de tomar banho, pela nossa higiene, devemos alimentar-nos bem, pela nossa saúde!


Para além disso, as dietas de uma forma generalizada, podem nem sempre ser aquilo que o nosso corpo precisa, nem considerar a nossa bio-individualidade. Normalmente são muito exigentes, repentinas e temos necessidade de ver resultados rápidos, sendo pouco sustentáveis a longo prazo, pois não prevêem outra componente importante que é o nosso bem-estar emocional e necessidade de equilíbrio.


Quando fazemos as nossas escolhas alimentares devemos estar atentos ao nosso corpo e aos efeitos que determinados alimentos têm, para podermos fazer as escolhas que mais nos suportam. O nosso corpo constuma dar-nos os sinais. Nós é que nem sempre o sabemos ouvir ou muitas vezes ignoramos esses alertas. Muitas vezes pensamos: “eu sempre comi isto…” ou “desde pequeno que a minha alimentação tem estes alimentos..” e não tomamos consciência de que a longo prazo o nosso corpo nos pode começar a dar outros sinais, pois os que deu inicialmente não foram tidos em conta.


Neste contexto, e percebendo que somos seres individuais e que há coisas que podem ser boas para uns e que para outros não, atrevo-me a dar algumas dicas:


Alterar a forma como nos alimentamos – No fundo, devemos olhar para a alimentação como uma forma de nos nutrirmos e de darmos ao nosso corpo aquilo que ele precisa para funcionar. O que verdadeiramente necessitamos!

  1. Reduzir/ evitar os alimentos processados que tipicamente são baixos em valor nutricional e que provocam oscilações de açúcar no sangue. Para isso, temos que ter consciência do que são. Alimentos processados são todos os que passam por um processo de transformação e de adição de ingredientes durante a sua produção. Podem ser-lhes adicionados açúcares, adoçantes, corantes, conservantes, etc., que permitem aumentar a sua cor, textura, aroma e prazo de validade. Estes alimentos, para além do baixo valor nutricional para o nosso corpo, têm tipicamente maiores níveis se sódio, gorduras, e outros químicos e são também aditivos. É fundamental evitar este tipo de alimentos aprendendo a ler bem os rótulos.
    Exemplos de alimentos processados: Bolachas, bolos, biscoitos, pão, refeições pré-confecionadas, refrigerantes, cereais de pequeno almoço, molhos, salgados
  2. Optar por alimentos saudáveis no seu estado mais natural/ integral e dar preferência, sempre que possível, aos produtos locais, da época, e aos que tiverem o menor quantidade de aditivos no seu processo produtivo (dar preferência aos produtos biológicos, por exemplo). Para isso, é essencial que sejamos os detetives das nossas escolhas alimentares.

o Vegetais: têm muitos nutrientes e baixos em calorias. Têm vitaminas, minerais, fibras, que ajudam ao bom funcionamento intestinal e ajudam-nos a estar saciados durante mais tempo. Exemplos: cenouras, couve kale, espinafres, espargos, cebolas, couve-flor…
o Frutas: Também ricas em vitaminas e fibras e algumas ricas em antioxidantes. Como são ricas em açucar (frutose) devem ser consumidas com moderação e deve variar-se.
o Cereais/ grãos integrais: São boas fontes de fibras ao contrário dos refinados. Exemplos: quinoa, millet, aveia, arroz integral, trigo sarraceno.
o Leguminosas: Ricos em minerais e proteínas. Exemplo: feijão azuki, lentilhas, feijão preto.
o Gorduras saúdáveis: São essenciais ao nosso bom funcionamento, pois ajudam à absorção de vitaminas importantes e promovem o funcionamento cerebral. Também permitem deixar-nos saciados durante mais tempo, uma vez que tornam mais lenta a libertação do açúcar. Exemplos: sementes (chia, sésamo, girassol), óleo de linhaça, azeite, frutos secos, óleo de coco
o Alimentos fermentados e probióticos: Permitem dar-nos bactérias saudáveis para o bom funcionamento do nosso intestino. Os que são ricos em probióticos, melhoram a digestão, a imunidade e contribuem para o equilibrio no peso. Exemplos: kombusha, miso, tempeh, iogurte.

Planear e preparar as nossas refeições: Planeamos tantas coisas nas nossas vidas e muitas vezes aquilo que é o mais básico para o nosso bem-estar, não colocamos como prioridade. Fazer um plano semanal com aquilo que serão as nossas refeições e estar preparados com snacks saúdáveis no dia-dia, é fundamental. Para além disso, ao fazermos esse plano conseguimos ter uma noção da variedade das nossas escolhas e podemos fazer ajustes, de forma a equilibrar e variar mais os alimentos que escolhemos. A preparação das nossas refeições pode parecer exigente especialmente na correria dos dia-dia. No entanto, quando fazemos este planeamento, será mais fácil pôr em prática.

Ir dando baby steps: Nem sempre é fácil implementar mudanças, e por isso, começar por dar pequenos passos é essencial. Colocarmo-nos em pequenos desafios e irmos celebrando essas conquistas.

Nutrirmo-nos de felicidade e amor: para além dos alimentos que nos fazem bem, é fundamental que trabalhemos os outros aspetos da nossa vida, essenciais para o nosso bem-estar. Seja a nossa espiritualidade, a atividade física, as relações, a nossa profissão, o importante é a forma como olhamos para todas elas e como nos nutrimos delas!

Ter uma boa alimentação pode parecer um desafio dificil, mas é compensador pois far-nos-á sentir melhor e viver em equilibrio.

Maria Burnay, Health Coach

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Artigos recentes

À Conversa com Ana Rendall

Atrás dos looks da semana e das redes sociais da Dress for Success® Lisboa (DFS) está a Ana Rendall. Uma mulher de ideias fortes, com um sorriso discreto que guarda todo o carinho do mundo

In the sha-a, sha-a-adow

Neste momento, provavelmente estamos todas com a mesma música na cabeça, a duvidar da letra. Ótimo, estamos todas na mesma página, podemos avançar. Se no verão passamos bem sem base, no outono já nos faz

Save for a dress, save for your success

No dia 31 de Outubro celebra-se o dia mundial da poupança. Quase todos os dias ouvimos falar nela, em como é importante e como nos devemos esforçar para amealhar o máximo possível. Mas antes de

O dia do Animal é todos os dias

Em mais de metade da minha vida vou sendo médico-veterinário. Logo no início da minha carreira optei por viver fora de Lisboa e fui para o nordeste transmontano. Saí da capital que me viu nascer

Aguenta coração…

Quando fazemos uma pesquisa em qualquer motor de busca pela web com os termos “epidemia do século XXI”, os resultados não podiam ser mais variados. Seria o pânico de qualquer hipocondríaco. Diabetes, obesidade, Alzheimer… Todas

É Menino ou Menina?

O título é uma brincadeira. Remete para o momento em que sabemos que alguém está grávida; primeira pergunta: É menino ou menina? E esse é o mote para falarmos de moda sem género. Unissexual.  Estaremos