a conversa

À Conversa Com Margarida Beja da H Sarah Trading

É dever de cada cidadão batalhar contra os abusos ambientais que acontecem no nosso planeta. Sabendo que a indústria da moda é a segunda mais poluente do mundo, devemos contrariar esta estatística.

A reciclagem têxtil e a criação de uma economia circular são pontos-chave para reduzir o impacto negativo do sector. É por isso que contamos com a ajuda da H Sarah Trading há cerca de 4 anos.

1-      Em primeiro lugar, qual o processo pelo qual os materiais recolhidos pela H Sarah Trading seguem?

A H SARAH Trading recolhe vestuário, têxteis-lar, calçado e brinquedos em equipamentos apropriados, distribuídos por todo Portugal Continental, ou nas instalações de entidades parceiras. Todo o material recolhido é encaminhado para a Unidade de Triagem da H SARAH Trading onde operadores especializados procedem à triagem e separação dos bens, por tipologia, nível de qualidade e material. Mediante o estado final, os materiais são encaminhados para doação (sendo redistribuídos pelas instituições parceiras, mediante necessidade e stock), valorização (exportados para fora da Europa, permitindo prolongar o ciclo de vida das peças) e reciclagem (encaminhados para transformadores que criam novos produtos através de fibras têxteis).

2-      Quais os benefícios reais que a reutilização têxtil tem tido em Portugal?

Em Portugal, esta é uma área em desenvolvimento, com crescentes preocupações por parte das entidades competentes e da população em geral, embora ainda fracamente legislada. De acordo com o PERSU2020, em 2017 foram produzidas cerca de 182 mil toneladas de resíduos têxteis, correspondendo a 4% do total de resíduos urbanos produzidos em Portugal. No mesmo ano, a H SARAH Trading recolheu aproximadamente 9 mil toneladas de vestuário usado, um valor que tem vindo a subir anualmente. Dada a dificuldade de decomposição destes artigos em aterro, todos os contributos para um outro encaminhamento representam uma mais-valia incalculável para o ambiente.

3-      A vossa expansão pelo País tem também contribuído para o desenvolvimento das comunidades locais. Como?

Atualmente, a recolha de roupa usada representa um importante contributo não apenas ambiental mas também social. Os parceiros da H SARAH Trading neste projeto beneficiam de apoio em géneros e monetários, permitindo a “troca” do vestuário usado que não conseguem redistribuir por géneros alimentares, produtos de higiene ou equipamentos, por exemplo.

4-      Resumindo, qual é a pegada que querem deixar em Portugal?

O objetivo principal da H SARAH Trading é contribuir de forma eficiente para o encaminhamento do vestuário usado em Portugal e a adoção de um sistema eficaz de recolha seletiva têxtil, à semelhança das restantes fileiras de recolha seletiva já existentes. É essencial consciencializar a população para a reutilização ou deposição seletiva, visando a diminuição da quantidade depositada em aterro e a extração de matérias primas para produção de novos produtos.

5-      Quais os valores mais importantes que vos unem a nós?

A Dress for Sucess tem como missão principal “apoiar mulheres a prosperar no trabalho e na vida pessoal”, um trabalho com impacto social importante. A capacitação social de pessoas através da doação de vestuário é um elo em comum entre a H SARAH Trading e a instituição, sendo um valor comum importante. Uma vez que ajudam as mulheres com vestuário usado, promovendo a reutilização, associam ao projeto uma forte componente ambiental, algo que é transversal às duas entidades nesta parceria.

6-      Que conselhos deixam a um público que quer ter um modo de vida mais ecológico e sustentável? 

Atualmente, existem diversas formas para contribuir para o correto encaminhamento têxtil, uma preocupação que contribuiu para um estilo de vida mais ecológico. A deposição seletiva destes artigos é o primeiro passo, garantindo que os têxteis são colocados em equipamentos próprios, não se misturando com os restantes resíduos, e seguindo o encaminhamento mais adequado. A entrega junto das instituições que recebem estes materiais também representa um contributo, não apenas social mas também ambiental, permitindo aos recetores o acesso a bens necessários. Por fim, é importante moderar o consumo excessivo de vestuário, promovido pela fast-fashion, e pensar em formas alternativas de reutilização, como a transformação home made

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Artigos recentes

A Alimentação que nos faz sentir bem!

As problemáticas associadas a uma má alimentação, são hoje muito debatidas, com o aumento dos níveis de obesidade (22% dos portugueses têm obesidade e 34% pré-obesidade, de acordo com estudo recente do Instituto de Saúde

O dia do Animal é todos os dias

Em mais de metade da minha vida vou sendo médico-veterinário. Logo no início da minha carreira optei por viver fora de Lisboa e fui para o nordeste transmontano. Saí da capital que me viu nascer

Aguenta coração…

Quando fazemos uma pesquisa em qualquer motor de busca pela web com os termos “epidemia do século XXI”, os resultados não podiam ser mais variados. Seria o pânico de qualquer hipocondríaco. Diabetes, obesidade, Alzheimer… Todas

É Menino ou Menina?

O título é uma brincadeira. Remete para o momento em que sabemos que alguém está grávida; primeira pergunta: É menino ou menina? E esse é o mote para falarmos de moda sem género. Unissexual.  Estaremos

Como manter o armário organizado?

Uma das maiores dificuldades para as mulheres é conseguir manter o roupeiro organizado. Seja por preguiça, ou porque custa tirar peças que achamos que daqui a algum tempo vamos usar, a verdade é que esta

Combinações de Norte a Sul

Influenciada pela nova campanha De Norte a Sagres, decidi pensar num roteiro para este Verão: bonitas parelhas de praia e fato de banho/biquíni condizente.           Em Julho ainda chovia. Acredito, então, que o Verão virá