Captura de ecrã 2020-08-31, às 19.29.11

A hipérbole do consumismo

Todos nós temos aquele amigo que qualquer que seja o reboliço emocional, este só consegue ser recompensado com o movimento da passagem do cartão de crédito ao balcão de uma loja qualquer. São os que mais facilmente desviam o olhar de uma conversa interessante para se deixarem encantar pelo canto melódico das vitrines que ostentam sempre algum artigo sem o qual eles não conseguem sobreviver, mas também são os mesmos que se livram desse artigo passado três meses porque já não está em alta.

A questão que nos podemos colocar é apenas uma: será que nós somos esse amigo?

Gerações atrás de gerações foram corrompidas por este desejo de «o fruto proibido ser o mais apetecido». Eu mesma já me deixei levar inúmeras vezes por aquela compra impulsiva que simplesmente sabia que tinha de ter e que posteriormente mal lhe toquei.

Eu deixei que isto acontecesse até há cerca de dois anos quando mudei de cidade e ao fazer as malas me apercebi da quantidade enorme de roupa que tinha e quão pouca usava.


Lembro-me que na altura me senti bastante perdida, sem saber por onde começar para mudar este hábito maligno para o ambiente e para a minha carteira, até que, após alguma pesquisa e introspeção, descobri algumas pequenas ações que partilho hoje contigo para que também tu consigas livrar-te dessa mentalidade consumista.

1º Menos é mais

Não é novidade que a indústria da moda é uma das mais poluentes e cabe a cada um de nós tomarmos ações que protejam o nosso planeta. Passar a olhar para a qualidade em vez da quantidade é o grande passo para a mudança: opta por comprar produtos que detenham cortes/cores simples e intemporais para que sejam mais fáceis de conjugar nos teus looks. Irás ter peças com maior durabilidade que te irão manter sempre atual.

2º Uma nova vida

E o que fazemos àquela roupa que já não usamos mas ainda está em bom estado? As opções são inúmeras, tanto as podem levar à vossa costureira de eleição para transformá-las em peças mais atuais (como faz a nossa Margarida Pimpim), como doar a familiares ou conhecidos, ou ainda doar a instituições/associações, tal como a Dress For Success, onde sabem que essa roupa terá a finalidade de ajudar quem mais precisa.

Para saberes mais sobre como doar à Dress clica aqui (inserir link – https://lisbon.dressforsuccess.org/get-involved/donate/)

3º O Vintage

Por último, existe sempre a opção de comprar em segunda mão. Talvez nesta opção o bichinho do consumismo continue a ser difícil de controlar, porém a verdade é que ao final do dia estamos a contribuir para dar uma nova vida à roupa que alguém já não utilizava. Existem inumeras lojas vintage em Lisboa que podes espreitar ou então opta por vir dar uma olhadela aos nossos Mercados de Salto Alto.

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Artigos recentes

Luís Fernando – Coach e CEO da ALLCAN

Antes do Coaching e Desenvolvimento Pessoal, estudaste Educação Física (EF), não é verdade?  Sim! A minha licenciatura é em EF e Desporto – o meu sonho desde pequenino era ser professor de EF, a profissão

A friendship on track to be Vintage*

Ao longo da vida saiu de cena quem não é mais de cena, e ficámos nós aqui sentados, no lugar de há muito tempo. Se nos perguntarem quanto tempo tem a nossa amizade, respondo que

O Alfaiate e a Modista

Alfaiate e e Modista: profissões seculares, tradicionais, que consistem na criação de peças de roupa de forma artesanal, um trabalho altamente manufaturado, personalizado e exclusivo. Duas profissões que surgiram em destaque na sociedade. São das

O que tanto nós procuramos?

O Ser Humano por norma é insatisfeito. Se meditarmos um pouco sobre o assunto, chegamos à conclusão de que todos andamos à procura da FELICIDADE incondicional e contínua – uma felicidade que depende muito pouco