andrew-gelwicks

Aguenta coração…

Quando fazemos uma pesquisa em qualquer motor de busca pela web com os termos epidemia do século XXI”, os resultados não podiam ser mais variados. Seria o pânico de qualquer hipocondríaco. Diabetes, obesidade, Alzheimer… Todas elas apresentam grandes desafios à comunidade médica na actualidade. Mas haverá alguma já experienciada por mim? Pela minha vizinha do andar de baixo? Pelo meu patrão? Pelo meu filho que iniciou agora o ano lectivo? A resposta é muito simples. Todos nós em alguma situação das nossas vidas já experienciámos aquele “nervoso miudinho”, “aquele friozinho na barriga”… Falo-vos de ansiedade.

De facto, o século XXI está dado a estas coisas. Todos nós sofremos imensa pressão para sermos melhores pessoas, bons filhos, excelentes maridos/esposas, funcionários competentes e empregadores respeitados. A busca por um bom desempenho em qualquer destas funções, profissionais ou familiares, poderá fazer com que desenvolvamos um distúrbio da ansiedade nas suas variadíssimas apresentações (distúrbio de ansiedade generalizado, distúrbio de stress pós-traumático, distúrbio de pânico).

Apesar de a ansiedade parecer prender-se apenas com questões psicológicas, a realidade não poderia estar mais longe e, de facto, está mais que provado que o sistema cardiovascular é grandemente afectado por todos estes distúrbios. Podemos pensar que a ansiedade afecta apenas a forma como interagimos com o mundo através do nosso comportamento. Pessoas mais ansiosas têm tendência a cumprir dietas menos saudáveis, a praticar menos actividade física e até a aderir a estilos de vida menos saudáveis como é exemplo o consumo de tabaco. Além disto o nosso corpo também sofre algumas alterações a nível celular e molecular que podem encontrar-se directamente relacionadas com estados ansiosos. Surge disfunção autonómica (o sistema nervoso autónomo é aquele que executa funções essenciais e que acontecem sem a nossa ordem, tal como respirar ou permitir que o nosso coração bata “sozinho”) surgindo arritmias cardíacas e a percepção exagerada do batimento cardíaco (palpitações), o corpo pode libertar parâmetros inflamatórios em excesso, pode surgir disfunção plaquetária (as plaquetas são as células do sangue que intervêm nos processos de coagulação) e até disfunção endotelial (células constituintes das paredes dos vasos sanguíneos). A conjunção destas alterações comportamentais e fisiológicas precipita então muitas vezes a ocorrência de um grande número de eventos cardiovasculares que afectam a morbilidade e até a mortalidade.

Felizmente temos ao nosso alcance diversas maneiras de combater a ansiedade. A melhor forma será actuar em simultâneo sobre as vertentes psicológica e fisiológica através de psicoterapia junto de técnicos especializados e procurar ajuda médica afim de tentar abordar o problema através de terapêutica farmacológica adequada à situação e se estritamente necessária. Primordialmente será essencial que adoptemos estilos de vida saudáveis em termos dietéticos (boa hidratação, evicção de sal), através da prática regular de actividade física adaptada à nossa pessoa e evitar consumos nocivos (ingestão de álcool e consumo de tabaco).

Pedro Domingues, Médico de Família

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Artigos recentes

A Alimentação que nos faz sentir bem!

As problemáticas associadas a uma má alimentação, são hoje muito debatidas, com o aumento dos níveis de obesidade (22% dos portugueses têm obesidade e 34% pré-obesidade, de acordo com estudo recente do Instituto de Saúde

O dia do Animal é todos os dias

Em mais de metade da minha vida vou sendo médico-veterinário. Logo no início da minha carreira optei por viver fora de Lisboa e fui para o nordeste transmontano. Saí da capital que me viu nascer

É Menino ou Menina?

O título é uma brincadeira. Remete para o momento em que sabemos que alguém está grávida; primeira pergunta: É menino ou menina? E esse é o mote para falarmos de moda sem género. Unissexual.  Estaremos

Como manter o armário organizado?

Uma das maiores dificuldades para as mulheres é conseguir manter o roupeiro organizado. Seja por preguiça, ou porque custa tirar peças que achamos que daqui a algum tempo vamos usar, a verdade é que esta

Combinações de Norte a Sul

Influenciada pela nova campanha De Norte a Sagres, decidi pensar num roteiro para este Verão: bonitas parelhas de praia e fato de banho/biquíni condizente.           Em Julho ainda chovia. Acredito, então, que o Verão virá

À Conversa Com Margarida Beja da H Sarah Trading

É dever de cada cidadão batalhar contra os abusos ambientais que acontecem no nosso planeta. Sabendo que a indústria da moda é a segunda mais poluente do mundo, devemos contrariar esta estatística. A reciclagem têxtil