Captura-de-ecrã-2021-04-03-às-10.27.44

KAIZEN – Vamos mudar para melhor? (Parte 1)

Kaizen é uma palavra Japonesa que pode ser traduzida em português como – Melhoria contínua ou «Mudar para melhor»!

Acredito que nascemos para Kaizen! Nascemos para mudar!

Nascemos para fazermos amanhã melhor do que hoje!

Antes de vos falar de melhoria continua e como está presente nas nossas vidas, faço-vos um pequeno enquadramento do termo e da sua origem.

O termo «Melhoria contínua» está associado à Filosofia Lean, originária do Japão, criada porTaiichi Ohno, engenheiro e chefe de produção da Toyota no período posterior à Segunda Guerra Mundial. Ohno liderou o desenvolvimento de um sistema de gestão, ao longo das décadas de 1950 e 1960, que busca a mais alta qualidade no menor prazo e com o menor custo por meio da eliminação do desperdício, chamado Toyota Production System (TPS) – em português, Sistema Toyota de Produção.

Melhoria contínua é um PILAR do pensamento LEAN e está muito associado à performance nas indústrias.

Foca-se em melhorar a eficiência dos processos, através da intervenção na produção, caso ocorra uma falha, fazendo com que toda a empresa tenha conhecimento do facto (e compreendam o que aconteceu) para, assim, melhorar o que for preciso.

A metodologia trouxe enormes ganhos em produtividade, qualidade e desenvolvimento de produtos, o que explica, em grande parte, o sucesso da indústria japonesa.

Esta Filosofia expandiu-se por todo o mundo e áreas de actuação, não só ao nível industrial, como nos serviços e ao nível pessoal. Na verdade, esta forma de vida tornou-se popular para todas as pessoas que atingem e querem atingir altos níveis de performance. 

De uma forma simples podemos definir melhoria contínua através de frases como:

Todos os dias, pouco a pouco, havemos de lá chegar!

Amanhã melhor do que hoje!

Mudar para melhor!

Consiste em aceitar a mudança como algo permanente, em fazer da INSATISFAÇÃO o motor da mudança!

Trata-se de uma incessante procura de melhores resultados!

Na verdade, se pensarmos na nossa infância, toda a nossa vida está preparada para melhorarmos dia após dia.

Nós nascemos preparados para a mudança! Nós nascemos para melhorar dia a dia.

Ora vejamos: quando nascemos, basta um dia para serem evidentes as mudanças. Eu até me atrevo a dizer que, nos primeiros anos de vida estamos em constante e contínua mudança, logo em melhoria contínua. São vários os exemplos disso.

O processo de começar a andar!

Começar a falar!

Começar a vestir-se!

Andar de bicicleta/nadar …

O mais interessante é que as crianças não resistem a estas mudanças, são naturais, não têm medo, ou se têm, conseguem ultrapassar com facilidade. Agem perante o medo e independentemente da falha.

Basta ver a questão do começar a andar, quantas vezes caem? Mas é por isso que não andam? Não! Todos passamos por isso.

Com o nosso crescimento surgem os medos! Medo de errar, medo de mudar, medo de sair da zona de conforto.

O que nasceu connosco, de forma natural, é transformado ou substituído por estes medos, entraves directos à prática de melhoria contínua. Tornamo-nos resistentes à mudança, logo à melhoria contínua…

Sandra Oliveira
Economista / Coach

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Artigos recentes

O apego material

O apego refere-se aos laços emocionais que desenvolvemos com pessoas e animais, mas o apego também pode ser material, desenvolvendo uma vinculação emocional para com um objeto, pensando que nos traz segurança e felicidade, apesar

KAIZEN – Vamos mudar para melhor? (Parte 2)

O que fazer para reativar este nosso poder e capacidade de melhorar a nossa vida, de forma contínua? Conhecermo-nos bem. Não só os pontos fortes, o que fazemos bem, mas o que, sobretudo, queremos melhorar.

À conversa com Diana Eugénio

Diana Eugénio, autora do livro “A Doença: o Meu Maior Mestre”, fala-nos de como o corpo que que nos deveria proteger acabou, no caso da Diana, por desenvolver uma doença auto-imune que a debilita e

O Dia do Pai

No dia 19 de Março celebra-se o dia do Pai e todos nós aproveitamos a ocasião para lhe darmos um mimo extra. A Maria, com 10 anos, não foi excepção. Inspirou-se, deu largas á sua

Obrigada, Pai!

Talvez pelos seus 19 anos, havia quem não acreditasse que fosse capaz de criar uma família com a responsabilidade necessária, ou esperada. Casou e pouco depois a família aumentou. O sonho de ser pai passou