Captura de ecrã 2020-08-25, às 11.59.02 2

“Oh dear! Oh dear! I shall be too late!”….to be Happy?

Quantos de nós têm a impressão de encarnar a personagem do coelho branco, da Alice no País das Maravilhas? Sempre de olho no relógio e com a sensação de estar eternamente atrasado para o encontro com a Felicidade. Esta passagem inevitável do tempo leva-nos a um tempo de espera incessante por outro tempo que nos traga uma nova e feliz narrativa.

Sim, cada minuto ou segundo da nossa vida pode ser sinónimo de um novo começo, mas não sabotemos a nossa própria felicidade incutindo a filosofia errada que a genética e as circunstâncias da nossa vida são as únicas variáveis responsáveis pelo nosso bem-estar. 

Segundo Sonja Lyubomirsky, Professora Ilustre e Vice-Presidente, Universidade da Califórnia, Riverside, a genética e as circunstâncias da vida não representam tanto valor quanto lhe atribuímos para a construção da nossa felicidade. Aliás valem 10% e 50% respetivamente. Já os nossos pensamentos e ações tem um peso significativo de 40%, e estão sob nosso controle. Sim, leu bem, temos o controle das nossas ações e pensamentos. Então, estamos à espera de quê para sermos Felizes?

“our intentional, effortful activities have a powerful effect on how happy we are, over and above the effects of our set points and the circumstances in which we find ourselves”

enjoy, life, waterfall, scenic, mood, traveller, travel, blogger ...Não vale a pena estabelecer objetivos intangíveis, daqueles que só de pensar neles ficamos agastados e com uma mente vazia de ação. O segredo passa pelo ato de saborear as experiências do presente, isto é, analisá-las e apreciá-las (pode ser um passeio pela rua, uma boa conversa, um excelente pequeno almoço) e também expressar gratidão. O Acto de Saborear (Savoring) e Experenciar Gratidão (Experience Gratitude), são os ingredientes para sermos mais felizes e saudáveis, de acordo com a Universidade de Yale, aliás indicados no curso The Science of Well Being.

Os bons tempos são sempre fáceis de serem vividos, mas são os momentos menos bons que testam a nossa vitalidade emocional e nos ajudam a perceber que um novo dia traz incertezas, medos e dúvidas, mas também infinitas possibilidades de fazermos as nossas próprias escolhas. E mesmo erradas, mesmo cheias de incertezas e de dúvidas são elas que lideram a nossa vida e nos impedem de ficar cristalizados em formatos e comparações.

Aproveitemos cada dia para nos mimar com um objetivo tangível, algo que nos permita usufruir da sensação soberba de sermos maiores do que nós próprios, isto é, utilizar os nossos talentos para dar sentido às nossas vidas, o que a Psicologia Positiva designa como Encontrar um Propósito (Meaning).

Resgatemos tempo à nossa vida para refletir sobre o que realmente nos faz feliz.
Nesta era cheia de efemeridades, aquelas coisas que pensamos que são importantes para a nossa felicidade, por vezes não o são. São mitos urbanos de uma geração que tem coisas supérfluas (Extra Stuff).

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Artigos recentes

Luís Fernando – Coach e CEO da ALLCAN

Antes do Coaching e Desenvolvimento Pessoal, estudaste Educação Física (EF), não é verdade?  Sim! A minha licenciatura é em EF e Desporto – o meu sonho desde pequenino era ser professor de EF, a profissão

A hipérbole do consumismo

Todos nós temos aquele amigo que qualquer que seja o reboliço emocional, este só consegue ser recompensado com o movimento da passagem do cartão de crédito ao balcão de uma loja qualquer. São os que

A friendship on track to be Vintage*

Ao longo da vida saiu de cena quem não é mais de cena, e ficámos nós aqui sentados, no lugar de há muito tempo. Se nos perguntarem quanto tempo tem a nossa amizade, respondo que

O Alfaiate e a Modista

Alfaiate e e Modista: profissões seculares, tradicionais, que consistem na criação de peças de roupa de forma artesanal, um trabalho altamente manufaturado, personalizado e exclusivo. Duas profissões que surgiram em destaque na sociedade. São das

O que tanto nós procuramos?

O Ser Humano por norma é insatisfeito. Se meditarmos um pouco sobre o assunto, chegamos à conclusão de que todos andamos à procura da FELICIDADE incondicional e contínua – uma felicidade que depende muito pouco