desktop-imaged.st (1)

Que pais queremos ser?

«A tua visão tornar-se-á clara quando puderes olhar para o teu coração. Quem olha para fora sonha. Quem olha para dentro, desperta».

Carl Jung

Quando nos tornamos pais somos confrontados com um dos mais desafiantes, importantes e exigentes papéis na nossa vida. A forma como desempenhamos este papel tem uma grande influência no coração, na alma e na consciência das próximas gerações. Os vínculos que nos ligam aos nossos filhos determinarão muitas das suas competências e dos sentimentos mais profundos acerca de quem são e do mundo que os rodeia.

É importante refletir sobre que pais queremos ser, quais são as nossas intenções enquanto pais, que sementes queremos plantar. No fundo, é a intenção que guia a nossa parentalidade, o porque fazemos o que fazemos.

Estes são alguns exemplos de perguntas que nos ajudam a definir as nossas intenções enquanto pai/mãe que tenciona praticar uma parentalidade consciente:

  • Que valores gostaria de transmitir ao meu filho?
  • Como posso ajudar o meu filho a ser feliz?
  • Como gostaria que fosse a nossa relação?
  • Como gostaria que fosse o ambiente na nossa família?
  • Que qualidades, características e capacidades gostaria que o meu filho tivesse?
  • De que forma poderei influenciá-lo para que possa adquiri-las?

Questionarmos a nossa parentalidade, e perceber se estamos a agir de forma intencional ou condicionados pelo nosso próprio passado, é o primeiro passo para a prática de uma parentalidade consciente e abraçar a oportunidade única e mágica de nos inscrevermos neste curso de desenvolvimento pessoal que é a parentalidade. 

A nossa integridade, autenticidade, o igual valor e a responsabilidade pessoal desenvolvem-se mediante este trabalho interior. O nosso autoconhecimento e a nossa sabedoria crescem na medida em que trazemos a nossa presença e consciência para o aqui e agora, para o momento em que a experiência tem lugar. A nossa atenção, o respeito pela integridade (a nossa e a deles) e a curiosidade são essenciais neste processo de confiar na nossa capacidade de agir de acordo com a nossa intenção a cada momento.

Se assim o permitirmos, os filhos vêm convidar-nos a (re) conectar-nos à nossa essência e competências inatas e a transcender as limitações da nossa própria mente, levam-nos a contactar com o nosso passado emocional e vêm ajudar-nos a ter noção do quanto ainda nos falta crescer. Citando as palavras de Jon Kabat-Zinn:

«As crianças personificam o que de melhor há na vida. Vivem no momento presente. Fazem parte do seu extraordinário florescer. São pura potencialidade, simbolizando vitalidade, emergência, renovação e esperança. São puramente aquilo que são. E partilham essa natureza vital connosco e ativam-na em nós também, se escutarmos atentamente o seu chamamento.»

Para praticar parentalidade consciente não procuramos respostas fora da relação parental, nem estratégias e métodos para controlar o comportamento, confiamos que todas as respostas se encontram na relação e na dinâmica entre pais e filhos. Neste caminho, é importante que nós, enquanto pais, aceitemos os nossos filhos, tal como são com o direito de ser quem são, de expressarem aquilo que sentem sem precisarem da nossa aprovação. Para que cresçam com um forte sentido de valorização pessoal, que sintam que a pessoa que são, a sua essência única merece ser celebrada. Não procuremos a perfeição e abraçemos a autenticidade e vulnerabilidade de ser quem somos, e isso basta.

Quando temos a intenção de praticar uma parentalidade consciente, encaramos o comportamento como uma forma de a criança comunicar as suas necessidades emocionais. O nosso papel enquanto educadores é procurar perceber que necessidades são essas, em vez de nos focarmos no «como» corrigir o comportamento. Quando a necessidade está satisfeita (que é diferente de satisfazer desejos!) a questão do comportamento deixa de fazer sentido. Podemos então ajudá-la a comunicar e a satisfazer as suas necessidades, sendo bons exemplos daquilo que gostaríamos de observar neles e assumindo a nossa responsabilidade enquanto os seus guias, mentores, pais conscientes e presentes para educarmos crianças resilientes, saudáveis e felizes.

Cristina Batalha

Coach e Facilitadora de Parentalidade Consciente

www.cristinabatalha.com

Share on facebook
Share on whatsapp
Share on tumblr
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Artigos recentes

In the sha-a, sha-a-adow

Neste momento, provavelmente estamos todas com a mesma música na cabeça, a duvidar da letra. Ótimo, estamos todas na mesma página, podemos avançar. Se no verão passamos bem sem base, no outono já nos faz

Save for a dress, save for your success

No dia 31 de Outubro celebra-se o dia mundial da poupança. Quase todos os dias ouvimos falar nela, em como é importante e como nos devemos esforçar para amealhar o máximo possível. Mas antes de

A Alimentação que nos faz sentir bem!

As problemáticas associadas a uma má alimentação, são hoje muito debatidas, com o aumento dos níveis de obesidade (22% dos portugueses têm obesidade e 34% pré-obesidade, de acordo com estudo recente do Instituto de Saúde

O dia do Animal é todos os dias

Em mais de metade da minha vida vou sendo médico-veterinário. Logo no início da minha carreira optei por viver fora de Lisboa e fui para o nordeste transmontano. Saí da capital que me viu nascer

Aguenta coração…

Quando fazemos uma pesquisa em qualquer motor de busca pela web com os termos “epidemia do século XXI”, os resultados não podiam ser mais variados. Seria o pânico de qualquer hipocondríaco. Diabetes, obesidade, Alzheimer… Todas

É Menino ou Menina?

O título é uma brincadeira. Remete para o momento em que sabemos que alguém está grávida; primeira pergunta: É menino ou menina? E esse é o mote para falarmos de moda sem género. Unissexual.  Estaremos